Browsing Category

Histórias Inspiradoras

Histórias Inspiradoras

Inspiração: Conheça a história da Feira de Mães Empreendedoras de Rio Claro

Mães empreendedoras passam por muitos desafios diariamente! E hoje vamos contar a história de algumas mães que se uniram para enfrentá-los. Elas criaram a Feira de Mães Empreendedoras de Rio Claro, uma iniciativa para fomentar o empreendedorismo materno e mais, para unir essa mulheres e tornar essa jornada mais leve e colaborativa.

Fizemos uma entrevista com ela, vem ver!

Como surgiu a ideia da feira?

A Feira de Mães Empreendendoras de Rio Claro foi gestada enquanto sua idealizadora, Beatriz Lima, participava de um processo de coaching em grupo chamado Mães que Realizam – por Lisa Fontana, em Limeira, interior de São Paulo, o que fez muitas ideias surgirem em sua cabeça. “Eu sempre gostei de ajudar as pessoas, e quando virei mãe minha visão se voltou às mães. Foi aí que percebi como muitas mães procuram trabalhos alternativos , em que podem cuidar dos filhos e ao mesmo tempo ajudar financeiramente em casa. Porém percebi também que muitas não têm oportunidade de divulgar, ou não sabem como fazer isso,   e acabam vendendo só pra conhecidos e indicações.

Foi aí que me surgiu a ideia de unir essas mães empreendedoras que trabalham em casa, irem pra rua, divulgando e ampliando  seu trabalho. Como participo de diversos grupos de mães, pelo WhatsApp,  fui convocando as interessadas e assim surgiu a Feira de Mães Empreendedoras.

Em setembro iremos para a  3ª edição – a ideia é termos feiras mensais – e a cada nova edição mais o grupo de mães interessadas em participar aumenta, o que reflete a boa repercussaõ e a necessidade desses eventos para oportunizar a ação dessas mulheres.

Além da feira há outras ações que visem apoiar o empreendedorismo materno? Como funciona a rede de apoio entre as mães que participam?

Além da feira criamos uma creche alternativa, onde nos espelhamos no modelo de creche parental muito usada no exterior. Como éramos mães sem trabalho e não concordávamos com o modelo de creche tradicional, nos juntamos pra revezar os cuidados dos nossos bebes. Hoje já mudou muito, pois já se passou 1 ano. Criamos a nossa creche, que se chama Folia dos Bebês, em  4 mães; já tivemos um grupo com 8 mães e hoje em dia somos 5 mães. Nos organizamos e revezamos para que uma mãe e uma cuidadora fixa , por dia, cuidem das 5 crianças. Assim temos tempo pra trabalhar e participar ativamente da vida das nossas crianças.  Geralmente o apoio então parte do prório grupo. As mães são tão cuidadas quanto os bebês, pois compartilhamos os conflitos, delícias, e dificuldades da rotina exigente de empreender e maternar com Presença. Por outro lado compartilhamos  também do sucesso de todas! Ter rede de apoio é fundamental na maternidade e ainda mais quando as mães são empreendedoras.

A cada feira arrecadamos alimentos que são doados às instituiçoes sociais da cidade, fortalecendo assim nosso compromisso social também.

Dicas para outras cidades seguirem o exemplo de vocês?

Acredito que a melhor dica que posso passar pra outras mães que queiram montar esse tipo de feira é união, só conseguimos chegar onde chegamos porque nos unimos e construímos essa feira. É preciso o sonho, a vontade, e determinação permeando as participantes, porque são muitas as dificuldades e exigências. Muitas vezes a mãe empreendedora acaba trabalhando ainda mais e não é fácil conciliar o ser mulher, esposa mãe, dona de casa, e ainda gerir e manter  o próprio negócio. É fundamental também contar com apoio das instituições da cidade – associações, cooperativas, grupos de mães,  e a própria prefeitura, que pode – e deveria – fomentar essas atividades.

É preciso fazer, realizar! É preciso dar o primeiro passo, começar de alguma forma e depois tudo vai se ajustando.

Um recado especial para outras mães empreendedoras?

Gostaríamos de dizer que realmente não é facil empreender, precisamos de muita força, muito apoio e da certeza de que nosso sonho é possível. Quando acreditamos que nosso desejo é para o Bem não podemos desistir. Busque parcerias, pessoas com o mesmo própósito ou mesmos valores e sigaa em frente. Realizar é possível!

Histórias Inspiradoras

Inspiração: Marca fortalece cadeia feminina e materna de empreendedorismo

Mãe de duas meninas, médica ginecologista atuando na área de cosmetoginecologia (tratamentos estéticos e funcionais na região íntima), Dra. Ana Helena Mattos desenvolveu uma linha de cosméticos que incentiva toda uma cadeia produtiva materna. Da extração da matéria prima feita por mulheres e mães em um assentamento na cidade de Anastácio em Mato Grosso do Sul, e a própria empresária, que graças a sua ligação com esse público por meio da atuação médica, traz ao mercado sua própria linha de cosméticos, Anna Mattos Cosméticos.

Há menos de 2 anos no mercado, a marca espera um crescimento de até 80% na venda desse ano doa Dia das Mães comparado ao mesmo período do ano passado. A expectativa se dá ao fato do crescimento no número de pontos de venda dos produtos ter aumentado, além do investimento feito em marketing no último ano. Foram mais de 80 mil reais inseridos na divulgação.

Pioneira, a linha de produtos utiliza casca de Barbatimão como matéria prima, árvore típica do Pantanal brasileiro. “São produtos que tem um diferencial inspirador, além é claro de todos os benefícios que promove”, explica a médica e empresária da marca. Esse princípio ativo, tem como benefício uma reestruturação da pele, promovendo a formação colágeno de boa qualidade, retirando a oleosidade excessiva sem desidratar (ação adstringente), além das ações bactericida, fungicida e antiviral. São produtos que levam em consideração a sustentabilidade ambiental e social. Desenvolvidos e pensados para homens e mulheres. “É uma opção criativa de presente para o Dia das Mães, com toda uma história envolvida”, sugere ela.

Veja alguns dos produtos a base de Barbatimão:

No seu mecanismo de ação, o Barbatimão se liga a proteínas das camadas superficiais da pele, forma uma camada protetora que permite que o processo de cicatrização ocorra abaixo, estimula e orienta a formação do colágeno tornando a cicatriz homogênea, imperceptível, além da ação anti-microbiana e anti-oxidante, portanto, excelente no tratamento de lesões da pele como a acne e recuperação de rugas superficiais, tratando e reestruturando as diversas camadas da pele.

Sabonete Líquido: adstringente, fecha poros, controla oleosidade, remove maquiagem, tem ação clareadora, regeneradora, cicatrizante, equilibra o pH fisiológico da pele.

Sabonete em Barra: o mesmo do sabonete líquido, porém glicerinado, hipoalergênico e livre de corantes.

Creme Hidratante Corporal: hidratação equilibrada com recuperação da camada superficial da pele, ação clareadora e cicatrizante. Excelente para pós depilação e para recuperação de danos causados pela exposição solar, além de dermatoses.

Creme Hidratante para as Mãos: mesmas características do hidratante corporal, desenvolvido especialemnte para as mãos, que hidrata, mas não deixa aspecto oleoso.

Histórias Inspiradoras

Entrevista com Marina Ribeiro da Marré Deci

Uma das melhores coisas do empreendedorismo: poder conhecer gente maravilhosa e com elas estabelecer mais que relações de trabalho, mas verdadeiras amizades. Essa é minha relação com a Marina da Marré Deci uma loja linda com itens super descolados e modernos.

E claro que a história dela é inspiradora e com certeza serve de motivação pra gente continuar a caminhada. Separei algumas perguntinhas pra ela que você confere agora:

Conta pra gente, como decidiu empreender?

Marina: Será que eu decidi? Sempre, desde criança, eu estava arranjando alguma coisa para vender, comercializar. Pintava umas estatuetinhas e levava para a mãe de um amigo que tinha loja vender. Bem novinha já tinha uns alunos particulares. Antes de terminar a faculdade eu já tinha a minha primeira empresa. Uma confecção de roupas de criança, chamada Dippy.

Nesta época, não havia tanta informação disponível e nem havia tanto glamour em empreender. É árduo hoje, era mais ainda antes. Acabei fechando a confecção e, depois de cursar uma pós em marketing e trabalhar em algumas empresas, comecei uma nova empresa. Trabalhei com prestação de serviços de marketing por mais de 10 anos. Nesta empresa eu era sócia de meu ex-marido. Acabou o casamento e a sociedade.

Quem empreende tem que ficar muito íntimo de algumas palavras. A primeira é resiliência. Cair e levantar e cair e levantar infinitamente. Este é o risco principal. Quem não aguentar os altos e baixos não pode empreender.

Então, aqui estou em um novo empreendimento. A Marré deci, que por fim, une as experiências dos dois empreendimentos anteriores.

E hoje, quais suas principais motivações?

Marina: Eu gosto de trabalhar. Tenho prazer. E foi sempre o meu sonho ter meu próprio empreendimento. Adolescente, nunca fiz planos de casamento, filhos, família. Para o desespero de minha mãe, que vinha me mostrar os mais lindos vestidos de noiva. E eu jurei que nunca usaria um!

Meus empreendimentos sempre foram pequenos, mas busquei inovar e criar formas diferentes de trabalhar e me relacionar com os clientes. Os internos e os externos.

Mesmo fora dos planos, os filhos vieram. Três! E tornaram-se a grande motivação. Haja grana para manter uma família. Todas sabemos!

Como a Marré deci começou?

Marina: Certo dia eu estava almoçando em um restaurante e ouvi uma mulher na mesa ao lado reclamando que precisava de alguém para trabalhar para ela e não encontrava. Ela era representante de roupas infantis. Quando terminei o almoço passei na mesa dela e deixei meu cartão. Algum tempo depois comecei a ajudá-la na representação das roupas. Observei que todas as lojas tinham alguma mercadoria que não vendia, não agradava ao público.

Eu queria muito um negócio na internet. Então pensei em criar um espaço para comercializar as várias pontas de estoque. Surgiu a Marré deci. Mas por conta de várias dificuldades não consegui dar continuidade e, de certa forma, abandonei o primeiro projeto.

Mas havia mais ali e decidi retomar. Minha filha mais velha resolveu trabalhar junto e isto foi um grande motivador. É bom ter alguém para dividir os sucessos e as derrotas! Resolvemos comprar as peças e revender, funcionar como uma loja, oferecendo roupas para bebê que fugissem do convencional, utilizando cores diferentes, sem distinguir gênero, valorizando as meninas e utilizado motivos da cultura popular. Achamos que isto atenderia ao público de pais e mães, na faixa dos 25-35 anos que assistiram Star Wars, e cresceram jogando vídeo games.

Mas ainda não ficamos contentes com a qualidade dos produtos que tínhamos condições de adquirir e resolvemos produzir. Controlar a produção nos permite perseguir e controlar a qualidade que desejamos. Estamos evoluindo para chegar cada vez mais próximos da excelência.

Quais as principais dificuldades?

Marina: As dificuldades são muitas. E a segunda palavra que o empreendedor tem que conhecer é paciência. A concorrência é muita, em todos os campos. E quem é pequeno, não tem tanto capital, tem que ser muito criativo para aparecer.

Manter o empreendimento é caro e dinheiro sempre é uma dificuldade. Manter um controle financeiro sem chorar e nem arrancar os cabelos é o grande desafio. Prefira fazer pela manhã. À noite é capaz de tirar o sono.

Mão de obra é difícil. Não é muito fácil encontrar o comprometimento.

Enfim, dificuldades são muitas. Só mesmo muita vontade, paciência, resiliência para manter a gente na estrada!

Como você as supera?

Marina: Superamos uma a cada dia, certo? Um bom planejamento ajuda muito. Manter contato com outros empreendedores também ajuda. Conversar, trocar experiências e idéias.

 Para finalizar, mande um recado para quem está começando agora!

Marina: Fazer um planejamento, não pular esta etapa. Não precisa ser um super planejamento, mas é preciso colocar no papel as metas e, principalmente, organizar o horário de trabalho, distribuir as tarefas ao longo do tempo. Procrastinar é muito fácil. E acabamos deixando de lado coisas importantes, porque não gostamos muito de fazê-las. A gente se auto-engana com o “não deu tempo”.

Procure pessoas que possam se comprometer e em cujo trabalho você possa confiar, para poder efetivamente delegar. Não é possível fazer tudo sozinho.

Tratar os clientes como você gostaria de ser tratado. Buscar a qualidade infinitamente. E não duvidar da vitória.

E sorte. É preciso sorte, também!

Vamos conhecer a Marré deci?